2 de julho de 2017

Literatura - Escritor - Ernest Hemingway


Em um dia como este, no ano de 1961, morria o consagrado escritor e jornalista norte-americano Ernest Hemingway.

Aos 61 anos, enfrentando problemas de hipertensão, diabetes, depressão e perda de memória, Hemingway decidiu tirar a própria vida em Ketchum, Idaho (EUA), onde disparou um fuzil de caça contra si mesmo.

Com histórico de suicídio na família (seu pai havia tirado a própria vida), todas as personagens do escritor se defrontaram com o problema da "evidência trágica" do fim, um desfecho que Hemingway decidiu dar a si mesmo.

Ao longo de sua vida, ele se destacou nos estudos na área de idiomas, mas sentia-se desmotivado pelas outras matérias.

Mostrou suas aptidões literárias no diário escolar, usando o pseudônimo Ring Lardner, Jr.

Ao acabar seus estudos, em 1917, não quis ir à universidade, como queria seu pai, nem se aperfeiçoou em seus estudos de violoncelo, como aspirava sua mãe.

Então se transferiu para o Kansas e em outubro de 1917 começou a trabalhar como repórter no diário Kansas City Star.

Entre suas obras destacam-se: O Sol Também se Levanta (1926), Adeus às Armas (1929), Morte à Tarde (1932), As Verdes Colinas da África (1935), Ter e não Ter (1937), Por Quem os Sinos Dobram (1940), Do Outro lado do Rio, Entre as Árvores (1950) e O Velho e o Mar (1952) pelo qual recebeu o Prêmio Pulitzer em 1953.



 maria tereza cichelli

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...