6 de julho de 2017

Literatura - Poeta - Castro Alves


Castro Alves (1847-1871) foi um poeta brasileiro.

O último grande poeta da Terceira Geração Romântica no Brasil. "O Poeta dos Escravos". Expressou em suas poesias a indignação aos graves problemas sociais de seu tempo. Denunciou a crueldade da escravidão e clamou pela liberdade, dando ao romantismo um sentido social e revolucionário que o aproximava do realismo. Foi também o poeta do amor, sua poesia amorosa descreve a beleza e a sedução do corpo da mulher. É patrono da cadeira nº 7 da Academia Brasileira de Letras.

Castro Alves (1847-1871) nasceu no município de Muritiba, Bahia, em 14 de março de 1847. Filho do médico Antônio José Alves, e também professor da Faculdade de Medicina de Salvador, e de Clélia Brasília da Silva Castro. No ano de 1853, foi com sua família morar em Salvador. Estudou no colégio de Abílio César Borges, onde era colega de Rui Barbosa. Demonstrou vocação apaixonada e precoce pela poesia.

Em 1863, Castro Alves publicou seu primeiro poema contra a escravidão, intitulado "A Primavera".  Em 1864 ingressou na Faculdade de Direito do Recife, onde participou ativamente da vida estudantil e literária, mas voltou para a Bahia no mesmo ano e só retornou ao Recife em 1865, na companhia de Fagundes Varela, seu grande amigo.

Castro Alves partiu para o Rio de Janeiro onde conheceu Machado de Assis, que o ajuda a ingressar nos meios literários. Em seguida, foi para São Paulo e conclui o Curso de Direito na Faculdade de Direito do Largo do São Francisco.

De férias, numa caçada nos bosques da Lapa fere o pé esquerdo, com um tiro de espingarda, resultando na amputação do pé. Em 1870 voltou para Salvador onde publicou "Espumas Flutuantes", único livro editado em vida.

Na sua poesia lírico-amorosa a mulher não aparece distante, sonhadora e intocada como nos outros românticos, mas uma mulher real e sedutora. Na poesia social, Castro Alves é sensível aos graves problemas de seu tempo. Seu poema abolicionista mais famoso, “O Navio Negreiro”, é um poema épico-dramático que faz parte da obra “Os escravos”, onde denuncia a crueldade da escravidão e faz uma recriação poética das cenas dramáticas do transporte de escravos no porão dos navios negreiros.

A linguagem usada por Castro Alves para defender seus ideais liberais é grandiosa, seu estilo é eloquente e faz uso acentuado de hipérboles e de espaços amplos como o mar, o céu, o infinito, o deserto etc. Apesar disso, é uma linguagem essencialmente romântica.

Antônio Frederico de Castro Alves morreu em Salvador, Bahia, no dia 6 de julho de 1871.

Navio Negreiro - Poema de Castro Alves



 maria tereza cichelli
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...